16 julho 2013

Os mísseis chineses

Ar pesado entre os militares dos Estados Unidos.

O País tem a maior marina militar do mundo, mas uma nova e misteriosa arma assusta os almirantes. É isto que está na base da recente aprovação do novo montante máximo de despesa: 65 milhões de Dólares ao longo de três anos entre o Naval Research Laboratory (Laboratório de Pesquisa Naval) e a empresa ITT Exelis.

Os recursos, de acordo com um documento da Marinha dos EUA, destinam-se aos 24 sistemas de guerra electrónica que devem ser carregados nos navios que actuam perto das águas chinesas.

O motivo? Como declarado pela US Navy:
É necessário para combater uma ameaça imediata para as operações da frota
O comando de operações quer que as novas defesas estejam activas a partir de Março de 2014. O alerta urgente apareceu pela primeira vez nas páginas de Military & Aerospace Electronic representa algo insólito: um aviso excepcionalmente forte para a frota mais poderosa do mundo.
Oficiais da Marinha falaram à revista do perigo representado por uma "ameaça recém-descoberta" que fez como o comandante da Frota do Pacífico, o Almirante Cecil Haney, pedisse a aceleração do programa. Uma desculpa para aumentar os financiamentos? Talvez não: a Marinha não entra em pormenores, mas recolhendo vários dados é possível avançar com algumas suposições.

Como afundar um navio

É razoável supor que a ameaça imediata seja um novo míssil da China.
Ninguém fora da Marinha os EUA sabe ao certo o que surpreendeu as altas esferas. E é verdade que, além da China, na zona interessada há outros jogadores com potencial: a Rússia, o Irão e a Coréia Democrática. Afirma Carl Kopp, analista do think tank Air Power Australia:
Seria possível construir algo a partir de uma tecnologia de matriz russa, chinesa, Iraniana ou Coreana, olhar para os planos originais enriquecendo-os e melhorando-os, ou ter projectos inteiramente novos.  Não houve revelações sobre novos mísseis russos ou chineses, mas se, por exemplo, tivessem sido actualizados ou aperfeiçoados com uma nova tecnologia, esta pode não aparecer nos media ao longo de semanas, meses ou anos. Uma mudança desse tipo poderia forçar uma rápida implantação de novas armas. Isso aconteceu muitas vezes durante a Guerra Fria, quando descobrimos os sistemas que os soviéticos tinham escondido. Então, havia uma louca corrida para recuperar.
A velocidade do novo programa de guerra electrónica poderia ser lido como um sinal de alerta: a Marinha dos EUA pode fica atrás dos seus rivais. A China, por exemplo, tem investido fortemente em todos os tipos de armas projectadas para afundar navios de guerra americanos no oceano.

A Marinha dos EUA está cada vez mais na defensiva, as armas não são capazes de evitar que aviões, navios e submarinos de Pequim cheguem perto o suficiente para disparar mísseis contra os navios americanos. Os chineses poderiam lançar um míssil em direcção a um navio dos EUA, o míssil poderia voar sobre a água com um baixo perfil, focando o alvo com sensores multi-modais, infravermelho e radar. Isto significa que o míssil seria muito difícil de detectar. A US Navy poderia utilizar um jammer (como o AN/SLQ-32, que é o principal modelo da Marinha dos EUA) para perturbar electronicamente um míssil em voo: mas algo pode correr mal e é por esta razão que a Marinha americana tradicionalmente coloca maior ênfase na destruição do sistema de lançamento.

É melhor, de acordo com a lógica, detectar e destruir aviões, submarinos ou navios de superfície inimigos antes que estes tenham a chance de lançar um míssil. Mas se os Estados Unidos nem pudessem fazer isso? 

Os mísseis chineses

Na corrida de mísseis em curso no Pacífico, apenas a China poderia ser o vencedor.

A mais musculada destas novas armas é o míssil balístico anti-navio DF-21D, que tem um alcance de mais de 3.000 quilómetros: se, numa futura guerra, um destes mísseis fosse lançado contra um navio de guerra dos Estados Unidos, não poderia haver nenhuma defesa.

A China também está a desenvolver uma versão "de bordo" do míssil, o DH-10, que pode viajar cerca de 2.500 quilómetros e atingir alvos terrestres como as bases norte-americanas em Guam e Okinawa. Apesar de grande parte do arsenal de mísseis chineses estar desactualizado, Pequim decidiu acelerar os programas para a construção de novos e melhores mísseis anti-navio: até teria aumentado a utilização de navios especialmente equipados para testar novos sensores.

É este o cerne da questão: os novos sensores poderiam utilizar tecnologia satelitar, novos sistemas de apontamento ou algo completamente diferente.

Toda essa actividade no outro lado do Pacífico colocou os EUA em alerta.
Continua Kopp:
Não estamos muito surpreendidos se a US Navy estiver a correr apara recuperar o tempo perdido, dado o crónico atraso nas actualizações do sistema Electronic Warfare [Guerra Electrónica, ndt] de todas as três armas, por causa dos fundos desviados na guerra global contra o terrorismo.
Na Marinha dos EUA há muito perceberam que a abordagem está a tornar-se de ofensiva para defensiva.
Sinais dos tempos que mudam.

Para alegrar o ambiente, eis When Motherland call upon us, um dos hinos do Exército Popular de Libertação (o exercito chinês), com legendas em inglês para um mais cómodo karaoke.


Ipse dixit.

Fontes: FedBizOpps, Military & Aerospace Electronics, Medium, Wikipedia (versão inglesa)

3 comentários:

  1. maria17.7.13

    Olá Max: parece o movimento natural do império que declina, enquanto um outro surge. E vamos e venhamos que os chineses são bem mais inteligentes, até nos "motherlands", sem contar na diversificação dos modos de conquista: comércio, aquisições dentro dos padrões legais, intercâmbio tecnológico, cultura e educação, atuação diplomática em blocos. E agora, tu apontas, até nos dispositivos bélicos!? Abraços

    ResponderEliminar
  2. Acho que todas essas armas tendem a virar sucata brevemente.
    Eletrônicos e novas tecnologias vão substituir tudo, hoje os tais drones podem destruir um grande navio sem que nada possa ser feito para evitar. Isso vai virar uma grande corrida de loucos

    ResponderEliminar
  3. Maria, boa-noite, li em 1982 um livreto sobre a onda amarela que iria dominar o mundo. O império americano já está decadente faz muito tempo, porém todos os governos fazem vistas grossas porque sabem que a economia ancorada na moeda americana é uma falácia, mas todo mundo está "contaminado" pelo dólar. Não existe outra opção, o mundo está em permanente chantagem. Ou o dólar, ou a morte. Vamos a guerra que a melhor forma de recuperar a moeda no velho ciclo destruir, construir.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...