15 julho 2013

Snipers

E primeiro lugar, peço desculpa pela falta nas publicações.

Os post costumam ter uma certa regularidade e já se tornaram um encontro fixo por muitos Leitores. Mas ao longo da última semana: nada. Lamento, alguns problemas.

Como costumam dizer em Portugal: é a vida.

Depois, vamos ver como está a situação.
No Brasil continuam as manifestações, em Portugal é confusão total (ou seja: o costume), a Europa está sempre em recessão, no Egipto, Iraque e Síria continua-se a morrer, no Afeganistão já são mais os suicídios do que os mortos em combate, na televisão ainda dão o Big Brother.
Resumindo: não mudou nada.

Então hoje vamos falar dum assunto muitas vezes ignorado mas não por isso menos interessante: os francos atiradores. Ou em inglês: snipers (que é ainda mais fino).

Os franco-atiradores

Os serviços secretos utilizam atiradores para matar civis e fomentar tensões? Resposta: sim.
Estes atiradores foram utilizados pela CIA nos Estados Unidos, Reino Unido, Noruega, Bélgica, França, Jugoslávia, Síria, Líbia, Egipto, Tunísia, Venezuela, Tailândia, Indonésia, Roménia, Rússia, Quirguistão, Paquistão, Iraque, Afeganistão.

Esquisito? Nada disso: o sniper fez um bom trabalho: limpo, silencioso, preciso, não dá nas vistas. E é descartável se for o caso.

Pegamos num dos casos mais recentes.
Recentemente houve tiroteios em Cairo no conflito entre os partidários do ex-presidente Morsi e o exército. Mas há uma terceira força que atira contra ambos os lados e afirma Eric Draitser nas páginas de Global Research:
Esta revelação levanta sérias questões sobre a verdadeira natureza do conflito no Egipto e as perturbadoras semelhanças entre este incidente e os similares na Síria, Tailândia e outros países.
Um médico do Cairo, um defensor de Morsi, afirma (1, 2):
Vi 4-6 pessoas em bicicletas no cruzamento Rabaa perto do quartel da Guarda Republicana. Os motociclistas estavam todos mascarados. E era difícil ver através da escuridão e da fumaça de gás lacrimogéneo, mas parecia que tiros. Ficavam por trás dos manifestantes, por isso disparavam contra os manifestantes e o exército. Em seguida, o exército começou a disparar. E os manifestantes dispararam. Eu vi o fogo de ambos os lados. Um oficial do exército, um policial e um soldado foram mortos.

Ainda Draitser:
Os francos-atiradores do Cairo vinham dum terceiro lado ainda desconhecido, cujo interesse é garantir que confrontos violentos e assassinatos exacerbem as tensões e alimentem a guerra civil. Os mais atentos observadores cuidadosos vão reparar que já vimos este cenário. Fomentar uma guerra civil no Egito,

Mas não há apenas o Egipto.
Quando a Cia decidiu derrubar o presidente Suharto, homens armados e mascarados mataram vários alunos em Jacarta, em Maio de 1998.

Vamos observar outros casos de intervenção de franco-atiradores ou snipers.

Roménia 1989
No documentário da televisão de Susanne Brandstätter Checkmate - Strategy of a Revolution (Youtube):
Espiões ocidentais revelaram que os esquadrões da morte foram usados para desestabilizar a Roménia e incitar o povo contra o chefe de Estado Nicolai Ceausescu. Dominique Fonvielle, ex-membro do serviço secreto francês DGSE, disse que os espiões têm de "desestabilizar as pessoas para a desvantagem do regime no poder . "Os espiões ocidentais entrevistados no documentário revelam como os meios de comunicação ocidentais têm um papel central na desinformação. As vítimas dos franco-atiradores pró-ocidentais foram apresentadas ao mundo como prova de que um ditador louco estava a matar o seu próprio povo.

Rússia 1993
Em 1993, os contra-revolucionários do Boris Yeltsin fez uso extensivo de franco-atiradores . De acordo com muitos relatos de testemunhas oculares, os atiradores foram vistos atingir civis de prédios em frente da embaixada dos EUA em Moscovo. Atiradores de elite foram (erroneamente) atribuídos ao governo soviético pelos meios de comunicação internacionais.

Jugoslávia anos '90
O apoio militar segredo dos EUA para grupos terroristas na Jugoslávia criou as condições para a intervenção "humanitária" após os atentados em 1999. Neste caso foi uma manobra combinada entre a Cia e os serviços secretos da Alemanha.

Venezuela 2002
Em 2002, a Cia tentou derrubar Hugo Chávez. No dia 11 de Abril foi organizada uma marcha da oposição e snipers escondidos em edifícios perto do palácio abriram o fogo contra os manifestantes, matando 18 pessoas. Os meios de comunicação alegaram (erradamente) que Chávez tinha assassinado o seu próprio povo.

Tailândia 2010
Em 12 de Abril de 2010 houve um conflito entre militantes dos "camisas vermelhas" eo governo tailandês. Atiradores desconhecidos mataram 21 pessoas. O primeiro-ministro da Tailândia "Abhisit acusou bandidos armados [...] A televisão estatal transmitiu imagens de soldados constantemente sob o fogo de balas e explosivos. Observadores militares dizem que as tropas tailandesas foram emboscados por agentes provocadores."

Quirguistão 2010
A violência étnica explodiu na república da Ásia Central do Quirguistão em Junho de 2010. Atiradores desconhecidos abriram fogo contra membros da minoria uzbeque no Quirguistão. Eurasia.net relatou:
Os habitantes ofereceram testemunhos convincente acerca de pistoleiros que matam as pessoas no seus bairros [...] Muitas pessoas estão convencidas de que tinham visto mercenários estrangeiros que actuavam como snipers [...] Os habitantes sinalizaram ter visto franco-atiradores negros e alto, loiros, atiradores de elite de sexo feminino dos Estados Bálticos. A ideia de que atiradores ingleses dispararam contra os uzbeques nas ruas de Osh é popular.
Em 6 de Agosto de 2008, o jornal russo Kommersant informou que um esconderijo de armas dos EUA tinha sido encontrado numa casa na capital do Quirguistão, Bishkek, alugada por dois cidadãos norte-americanos.

As tensões étnicas podem ser usadas para criar um ambiente de medo em apoio a uma ditadura impopular. O Jihadismo islâmico pode ser usado para criar o que Zbigniew Bzrezinski chama de "arco de crise".

Tunísia 2011
Em 16 de Janeiro de 2011, a CNN informou que "bandos armados" estavam a combater as forças de segurança da Tunísia. Muitos dos assassinatos cometidos durante a revolta tunisina foram perpetrados por "atiradores desconhecidos". Há vídeos postados na internet que mostram cidadãos suecos detidos pelas forças de segurança da Tunísia: os homens estavam armados com rifles de precisão (o vídeo original foi retirado do Youtube: o presente é uma péssima cópia).

Os professores Michel Chossudovsky e William Engdahl , juntamente com outros pesquisadores, demonstraram como as revoltas do norte da África seguiram os padrões de golpes similares apoiados pelos Estados Unidos.

Egipto 2011
Além de quanto relatado no princípio, vale a pena lembrar que em 20 de Outubro de 2011 o Daily Telegraph escreveu que Mina Daniel, activista anti-governo do Cairo, foi morto por um atirador desconhecido. Em 6 de Fevereiro, a Al-Jazeera informou que o jornalista egípcio Mahmoud Ahmad foi baleado por atiradores de elite.

Líbia 2011
Um vídeo transmitido pela Al-Jazeera mostrou manifestantes debaixo de fogo. O vídeo foi editado para convencer o espectador de que os manifestantes anti-Khadafi foram mortos pelas forças de segurança. No entanto, a versão não editada do vídeo mostra claramente manifestantes pró-Khadafi com bandeiras verdes debaixo de fogo de atiradores desconhecidos. Este não foi um caso isolado: a errada atribuição de crimes cometidos pelas força pró-Nato foi uma característica constante da guerra dos media contra o povo líbio.

Síria 2011
"Snipers desconhecido estacionavam nos telhados das cidades de Hama e Daraa, foram os verdadeiros culpados principais. É interessante notar que a missão de observação da própria Liga Árabe, abertamente hostil ao regime de Assad, observou no seu relatório como muitas das atrocidades do início de 2012, devidas aos tiros dos sniper, poderiam ser atribuídas corretamente a uma terceira força desconhecida no país.

Ipse dixit.

Fontes: no texto.

6 comentários:

  1. maria15.7.13

    Olá Max:essa listagem que fizestes de manifestações de massa atravessadas por ação mercenária, com vistas a gerar guerra civil e prejudicar governos não alinhados com os interesses do corporativismo global, falam por si.
    Vê o caso do Brasil: manifestações (em tese justas)operadas por 5% da população do país, onde metade funciona ao sabor dos interesses midiáticos e a outra metade, a mais consciente, se acredita em 64. Ocorre que os golpes de estado alimentados pelo império e seus comparsas nacionais atualizaram suas estratégias. Do meu ponto de vista estivemos a um passo de completar a tua lista com o sub título: Brasil 2013. E dadas as lutas intestinas que continuam ocorrendo por aqui, tanto no Congresso como fora dele,para bloquear as iniciativas do governo no sentido de reformar um pouco o "estado da arte nacional", aproveitando-se da convulsão popular e da oportunidade de pressionar os parlamentares a votar leis de interesse nacional,sigo crendo que ainda corremos risco. Abraço

    ResponderEliminar
  2. Anónimo15.7.13

    A utilização de SNIPERS é um dos musts das operações tipo 'False Flag' ou 'Bandeira Falsa'.

    Matam-se cidadãos de um lado para manipular a opinião publica contra o outro. Ou então, atira-se sobre os dois lados, para criar o caos total e promover guerras civis, como o caso da Siria.

    Se antes a função principal dos SNIPERS era a eliminação de individualidades importantes do inimigo em teatros de guerra, hoje ela é muito mais preversa; atinge indiscriminadamente inocentes com o objectivo de pura manipulação táctica.

    abraço
    Krowler

    ResponderEliminar
  3. Anónimo15.7.13

    max, jfk.
    açao historica de atiradores desconhecidos. nao incitou revolta, mas foi, talvez, o mais simbolico alvo do seculo passado.

    abraço,
    cesar.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo16.7.13

    Um sniper pode utilizar balas ou simplesmente com a arma adaptada pode fazer muito mais, sem se sequer saber que lá esteve. Pode inclusive acertar na pele do "alvo" a abater com objectos praticamente imperceptíveis ou mesmo imperceptíveis ao olho humano, que mais tarde farão o efeito desejado(por exemplo envenamento ao gosto de quem paga). O que coloquei em cima não é ficção ou coisa de filmes. É a forma mais perfeccionista de eliminar alvos indesejados. O Max viu na deep web de certeza o preço que cobram por tais serviços pela importância do alvo a abater, envenenar. Mas isso não passa de um mercado paralelo. Existem empresas privadas que mudam constantemente de nome(mais ou menos como lavagem de dinheiro) tipo a Blackwater p.ex(não sei o nome actual, sei que em grande parte foi comprada pela Monsanto), em que a especialização é essa mesmo destabilizar pelo mundo fora, depois os midia encarregam-se do resto, alias a coisa é tão bem engendrada que não sei se por vezes não estão feitos uns com os outros? E assim morre um indivíduo importante com insuficiência cardíaca, cancro e por aí. Quando o alvo são multidões o um Zé qualquer aí vai mesmo a bala. E claro o serviço não é tão bem pago. A chamada lei da oferta e da procura no sistema cada vez mais aberrante em que vivemos.
    Abraço
    Nuno-F.
    Ps: peço desculpa em não meter aqui fontes mas isto não é um CPU, basta googlar.

    ResponderEliminar
  5. Anónimo16.7.13

    http://naturalrevolution.org/monsanto-now-owns-mercenaries-blackwater-newly-named-academi/

    As fontes não valem nada em relação ao texto. O video da RT, esse sim vale bem a pena.

    ResponderEliminar
  6. uma sugestão: a demasiada irregularidade prejudica e desanima;um ou dois co-autores resolve esse inconveniente.
    Os egipcios estão muito mal preparados para enfrentar toda a manipulaçao montada.quando começaram a caminhar para o lado que israel se sentisse mal já era de esperar que os EUA davam ordem aos "seus" militares para fazerem os pobres comer pó. pena que vão morrer muitos iludidos e ninguem os ajuda a abrir os olhos.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...