28 dezembro 2015

Suíça: stop ao dinheiro criado pelos bancos privados?

...e depois dizem que a democracia directa não mudaria nada.

Pegamos no caso da Suíça: os cidadãos podem influenciar a actividade do governo através de iniciativas e referendos, porque o povo é o órgão político supremo do Estado. Esse é o princípio que caracteriza o sistema político da Suíça.

Deveria ser o mesmo nos outros Países? Teoricamente sim, mas há uma levíssima diferença: na Suíça existe a democracia directa.

E um dos resultados é o seguinte: num dos próximos referendos (consultações frequentes no País), os cidadãos suíços vão decidir se for o caso de proibir aos bancos comerciais de criar dinheiro. Na prática: só dinheiro criado pelo Banco Central.

Mais de 110.000 cidadãos suíços têm assinado a petição que agora será tornada referendo. A campanha, promovida pelo movimento Dinheiro Soberano Suíço (Vollgeld) teria um efeito devastador no âmbito da especulação financeira: os bancos privados seriam obrigados a manter como reserva 100% dos depósitos. Na prática, proibição do sistema da reserva fracionária, incapacidade de "dopar" a economia até esta tornar-se especulação.

Pode ler-se na página do movimento:
Os bancos já não seriam capazes de criar dinheiro, mas apenas ser de emprestar o dinheiro que colectam com os depositantes ou dos outros bancos.
Tanto para fazer um sintético resumo: nas economias ocidentais, os bancos centrais não controlam a criação de dinheiro ex nihilo (do nada); esta ocorre sempre que um banco comercial abre uma linha de crédito, quando concede um empréstimo por exemplo.

O banco central só pode tentar influenciar a oferta de dinheiro com os seus instrumentos de política monetária. Todavia, esta intervenção acontece inevitavelmente "depois", com um efeito atrasado que pode ficar fora do tempo útil. Se o referendo na Suíça passasse, o seu Banco Central viria a ser o único banco do País capaz de criar dinheiro.

Basicamente, o poder de criar dinheiro seria mantido separado do poder de decidir como utiliza-lo.
Ao fazer isso, os bancos comerciais continuariam a gerir as contas, os pagamentos, a servir como intermediários entre crédito e poupança. Todos os anos, o Banco Central iria decidir um total de dinheiro "novo" (criado pelo próprio banco) distribuído entre os bancos privados, os quais deveriam depois decidir como investi-lo.

Este sistema não fornece uma grande força no sentido do crescimento, mas torna a economia muito mais estável: diminui grandemente a especulação, pois os bancos têm uma quantia limitada (e não ilimitada como agora) de dinheiro e escolhem não correr riscos excessivos. Das mesma forma, os investimentos oferecidos aos clientes (quem poupa) tornam-se mais seguros pois o banco tem absoluta necessidade de rentabilizar a sua quota de dinheiro.

Não podemos falar duma verdadeira soberania monetária, pois para isso seria preciso nacionalizar o Banco Central (ah, pois, ia esquecendo...ainda há alguém que acredita que os Bancos Centrais sejam "nacionais"), mas certamente é uma das chaves fundamentais para interromper uma fraude de proporções enormes: a do dinheiro "privado".


Ipse dixit.

Fonte: no texto

8 comentários:

  1. A Política com um Novo Paradigma


    BPN, BES, Novo Banco, Banif... e... por aonde é que anda a capacidade negocial do contribuinte!!!???!!!???!!!
    .
    Ora, de facto, por muitos mestres/elite em economia que existam por aí... porque é que quem paga (vulgo contribuinte) não há-de ter uma palavra a dizer!!!???!!!???!!!
    .
    Mais, foram mestres/elite em economia que enfiaram ao contribuinte autoestradas 'olha lá vem um', estádios de futebol vazios, BPN, BES, Novo Banco, Banif, etc.
    .
    .
    O CONTRIBUINTE NÃO PODE IR ATRÁS DA CONVERSA DOS PAROLIZADORES DE CONTRIBUINTES - estes, ao mesmo tempo que se armam em arautos/milagreiros em economia (etc), por outro lado, procuram retirar capacidade negocial ao contribuinte!!!
    .
    Mais, quando um cidadão quando está a votar num político (num partido) não concorda necessariamente com tudo o que esse político diz!
    Leia-se, um político não se pode limitar a apresentar propostas (promessas) eleitorais... tem também de referir que possui a capacidade de apresentar as suas mais variadas ideias de governação em condições aonde o contribuinte/consumidor esteja dotado de um elevado poder negocial!!!
    -» Ver blogs « http://fimcidadaniainfantil.blogspot.pt/ » e « http://concorrenciaaserio.blogspot.pt/ ».
    .
    .
    .
    Anexo:
    O CONTRIBUINTE TEM QUE SE DAR AO TRABALHO!!!
    -» Leia-se: o contribuinte tem de ajudar no combate aos lobbys que se consideram os donos da democracia!
    ---»»» Democracia Semi-Directa «««---
    -» Isto é, votar em políticos não é (não pode ser) passar um cheque em branco isto é, ou seja, os políticos e os lobbys pró-despesa/endividamento poderão discutir à vontade a utilização de dinheiros públicos... só que depois... a ‘coisa’ terá que passar pelo crivo de quem paga (vulgo contribuinte).
    -» Leia-se: deve existir o DIREITO AO VETO de quem paga!!!
    [ver blog « Fim-da-Cidadania-Infantil »]

    ResponderEliminar
  2. Para quaisquer iniciativas, escolhas etc, as pessoas tem de ter um mínimo de informação, discussões sérias (e não midiáticas, transformadas em espetáculo e desfile de mentiras, ocultação sistemática dos fatos...).Só para lembrar, o finado Roberto Marinho, o poderoso chefão (e dono) das organizações globo, sempre dizia que a TV Globo era o que era (e continua sendo) mais pelo que deixava de noticiar do que pelo que noticiava. O desgraçado tinha tanta clareza que era (e continua sendo) o primeiro poder no Brasil, que dava-se ao luxo de declarar a verdade sobre a estratégia do poder mediático ao qual o povo deste país tem sido submetido. Não sei como o "tráfego de realidade" funciona na Suíça, mas quanto melhor funcionar, melhor funcionará a democracia direta.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo29.12.15

    Já é alguma coisa.

    ResponderEliminar
  4. Chaplin4.1.16

    Complementando a colega comentarista, Roberto Marinho dizia:"o que não é notícia no Jornal Nacional (noticiário diário de amplo espectro)não existe". Agora, de que adianta "nacionalizar" os Bancos Centrais se os Estados Nacionais estão sob controle da finança? E logo a Suíça como "modelo"! Um país onde a economia se move, não por produção mas por especulação...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Chaplin!

      Confirmo: nesta actual situação, para mim a Suíça é um modelo. Realço: nesta actual situação, não sendo o sonho da minha vida (caso contrário já teria emigrado até lá, óbvio). Mas é um País que conheço, e bastante bem até.

      No País de Chaplin os cidadãos votam para proibir que os bancos produzam dinheiro com o mecanismo da reserva fraccionária? Não? E porque não?
      Na Suíça sim.

      Abraçooooooo!!!

      Eliminar
    2. Chaplin8.1.16

      Caímos novamente no senhor reducionismo...imaginando ser possível controlar os bancos centrais sem controlar os Estados nacionais... excluindo talvez raríssimas exceções, como a Suíça...onde a realidade existente jamais será estendida ao mundo dos dominados...

      Eliminar
  5. Get all the best alcoholic drinks at Duty Free Depot!

    All the world famous brand name drinks for unbelievable low price tags.

    ResponderEliminar
  6. Quantum Binary Signals

    Professional trading signals delivered to your mobile phone daily.

    Start following our signals today and gain up to 270% per day.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...